Quantcast
Caso Kathlen: "Rio precisa parar com a caça de pessoas negras nas favelas”, afirma Ouvidoria Pública - Mundo News Web Interstitial Ad Example
24 de Junho, 2021

Mundo News

Seu Mundo! Suas Notícias!

Caso Kathlen: “Rio precisa parar com a caça de pessoas negras nas favelas”, afirma Ouvidoria Pública

3 min read
...

A Ouvidoria do Estado já está em contato com a rede de acolhimento da família da jovem Kathlen Romeu, de 24 anos, morta ontem durante um tiroteio no Complexo do Lins. Segundo informações do órgão, os familiares de Kathlen foram até o IML esta manhã acompanhados por representantes da OAB-RJ. O ouvidor da Defensoria Pública, Guilherme Pimentel, afirmou que a família da vítima está atordoada. 

“Este é um momento difícil em que eles precisam lidar com os trâmites legais depois do dia caótico de ontem. A comissão de direitos humanos vai atuar em parceria com a OAB para garantir que a família seja acolhida e receba todo o atendimento jurídico e psicossocial que precisarem”, afirmou Pimentel. 

A grávida foi baleada durante um confronto entre policiais e bandidos, ainda não se sabe quem foi o autor do disparo. As operações policiais em favelas do Rio estão proibidas há mais de um ano mas, a medida de restrição feita pelo Supremo Tribunal Federal segue sendo descumprida. 

No último sábado (05/06) completou um ano da decisão do ministro Edson Fachin do STF de proibir as operações policiais em comunidades durante a pandemia. A medida do relator ficou conhecida como ADPF das Favelas e os ministros agora estão votando se abrem uma investigação para avaliar o descumprimento da norma. 

Fachin já votou a favor da abertura das investigações, durante a leitura do voto o ministro defendeu que o governo do Rio elabore um programa para reduzir a letalidade policial. Para Pimentel, as operações policiais recentes, como o caso da Kahlen, são exemplos claros não só da violação da ADPF como também da própria Constituição Federal. 

“Todo cidadão brasileiro tem assegurado por lei o direito à vida e integridade física. Ações como a de ontem violam o estado democrático de direito e isso precisa ser investigado pelo Ministério Público e chegar também ao STF. O Estado do Rio precisa parar com a caça de pessoas negras nas favelas. É preciso pensar em um modelo de segurança de direitos e não e violações”, explicou o ouvidor.

Protesto pedirá Justiça após morte de Kathlen

Foi convocado para hoje (9) um ato para pedir justiça por Kathlen Romeu, 24, que morreu baleada por policiais na Zona Norte do Rio de Janeiro na terça-feira (8). A manifestação ocorre às 16h na Rua Lins de Vasconcelos, na comunidade de mesmo nome, onde a jovem foi assassinada.

A deputada Dani Monteiro (PSOL), que também preside a Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) convocou os atos em suas redes sociais e afirmou que “o que aconteceu com Kathlen é o sintoma de uma política de segurança pública que serve ao objetivo de deteriorar corpos negros”.

Quase 700 mulheres foram baleadas desde 2017 na Região Metropolitana do RJ

Quase 700 mulheres foram baleadas na Região Metropolitana do Rio de Janeiro de 2017 até este ano. O levantamento consta na plataforma de dados Fogo Cruzado, e contabiliza tanto as vítimas baleadas em operação quanto as de homicídios.

Ao todo, foram 681 mulheres atingidas por disparos de arma de fogo, das quais 258 morreram. De 2017 para cá, 15 vítimas baleadas estavam grávidas; oito morreram.

Fonte: https://br.noticias.yahoo.com/caso-kathlen-rio-precisa-parar-com-a-caca-de-pessoas-negras-nas-favelas-afirma-ouvidoria-publica-153202038.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Copyright © All rights reserved. | Newsphere by AF themes.