Quantcast
Diplomacia cara a cara é crucial para manter laços EUA-China longe de um conflito - Mundo News Web Interstitial Ad Example
14 de Agosto, 2022

Mundo News

Seu Mundo! Suas Notícias!

Diplomacia cara a cara é crucial para manter laços EUA-China longe de um conflito

3 min read
Artigo destaca declínio na comunicação oficial desde a era Trump e diz que reunião entre Xi e Biden é crucial para controlar a crise de Taiwan O...

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no jornal South China Morning Post

Por Shi Jiangtao

Quando uma crise se seguiu seis anos atrás por causa de um telefonema que quebrou o protocolo entre o então presidente eleito dos EUA, Donald Trump, e a presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, Beijing rapidamente despachou seu principal diplomata para Nova York em uma viagem para reparar a situação.

A visita organizada às pressas em dezembro de 2016 dificilmente foi um sucesso pelos padrões diplomáticos, já que Yang Jiechi, principal assessor estrangeiro do presidente Xi Jinping, não conseguiu se reunir com Trump ou garantir seu compromisso com a política de “Uma só China” de Washington.

Envergonhado pelo desprezo e pelo subsequente questionamento de Trump aos compromissos de administrações anteriores dos EUA na ilha autogovernada, Beijing não tornou pública a viagem de Yang até dias depois.

Mas o desastre não impediu a pressão de Beijing para um encontro entre Xi e Trump, que acabou ocorrendo no resort Mar-a-Lago em abril de 2017.

Embora a détente EUA-China não tenha durado muito, o episódio se tornou um ponto alto para Yang pessoalmente, que logo foi elevado como o primeiro diplomata a ingressar no Politburo em 15 anos.

Em retrospecto, parece que faz muito tempo desde que a liderança de Beijing pareceu pela última vez confiar nas comunicações diretas e no engajamento diplomático.

Presidente da China, Xi Jinping, em conversa por vídeo com Joe Biden (Foto: news.cn)

Por mais controversa que possa ser, a diplomacia cara a cara tem uma longa história de ajudar a manter os laços EUA-China longe de confrontos.

A missão secreta de Henry Kissinger na China em 1971 ajudou a abrir o país para o mundo exterior e inaugurou uma era de engajamento. Logo após a sangrenta repressão da Praça da Paz Celestial em junho de 1989, o ex-presidente George H. W. Bush enviou secretamente seus principais conselheiros a Beijing “como amigos para retomar nosso importante diálogo”.

Mas, à medida que as tensões aumentam sobre a possível viagem da presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, a Taiwan, há uma falta de vontade política e liderança para lidar diplomaticamente com os atritos. Líderes e diplomatas seniores de ambos os lados ainda conversam entre si de tempos em tempos, como as conversas virtuais entre Xi e o presidente Joe Biden na semana passada, mas o resultado geralmente é medíocre.

Embora a China tenha se tornado cada vez mais impaciente com o domínio geopolítico do Ocidente liderado pelos EUA, Washington ainda precisa descobrir uma abordagem substituta para lidar com uma Beijing mais confiante.

Wang Jisi, especialista em EUA da Universidade de Beijing, lamentou recentemente a ausência de intercâmbios oficiais e acadêmicos presenciais, em grande parte por causa das restrições de viagem relacionadas à Covid, que ele chamou de “um problema muito grande”, aumentando as tensões bilaterais.

Mais de 20 especialistas americanos e chineses alertaram que o declínio acentuado na comunicação oficial e nas conversas regulares sobre questões delicadas, como Taiwan, desde a era Trump exacerbou as suspeitas de ambos os lados e aumentou a possibilidade de erros de cálculo.

Falando em uma reunião virtual organizada pelo Comitê Nacional de Política Externa Americana em junho, eles expressaram preocupações sobre a atual abordagem de isolamento e alienação mútuos e suas graves implicações para a situação através do Estreito.

Enquanto eles estavam divididos sobre quem deveria ser culpado pela espiral descendente nos laços bilaterais, eles pediram aos líderes de ambos os lados que reiniciem a comunicação regular para evitar surpresas políticas e conflitos não intencionais.

É um bom sinal que Biden e Xi prometeram manter o diálogo e discutiram a possibilidade de sua primeira reunião em novembro. No entanto, sua credibilidade dependerá em grande parte da capacidade de evitar uma crise no Estreito de Taiwan com a visita de Pelosi.

Leia mais artigos em A Referência

O post Diplomacia cara a cara é crucial para manter laços EUA-China longe de um conflito apareceu primeiro em A Referência.

Fonte: https://areferencia.com/artigos/diplomacia-cara-a-cara-e-crucial-para-manter-lacos-eua-china-longe-de-conflito/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Copyright © All rights reserved. | Newsphere by AF themes.